GRANDES VULTOS DA MAÇONARIA GOIANA

 

PEDRO LUDOVICO TEIXEIRA

 


PEDRO LUDOVICO TEIXEIRA nasceu na cidade de Goiás, então capital do estado de Goiás, em 23 de outubro de 1891, filho do médico João Teixeira Álvares e de Josefina Ludovico de Almeida. Transferiu-se para o Rio de Janeiro e bacharelou-se em Medicina.

Retornou a Goiás em março de 1916, fixando residência em Bela Vista, onde começou a clinicar. Em 1917 mudou-se para Rio Verde (GO) e no ano seguinte casou com Gercina Borges Teixeira.

Participou da Revolução de 1930. Em 24 de outubro do mesmo ano foi determinada a sua remoção para a cidade de Goiás, mas durante o percurso veio a notícia da vitória da revolução. Assim, Pedro Ludovico chegou ao destino não mais como prisioneiro, mas para assumir a liderança de um movimento vitorioso e o governo provisório do estado. Em 21 de novembro, foi nomeado interventor em seu estado.

Em 1933 foi decidida a reconstitucionalização do país, e Ludovico tomou parte ativa na criação do Partido Social Republicano (PSR), que viria a preencher todas as cadeiras da representação goiana na Constituinte de 1934. Em 1935, seguindo as normas da Constituição federal votada no ano anterior, reuniu-se a Assembléia Constituinte do estado de Goiás, que o elegeu governador.

Em novembro de 1937, com a decretação do Estado Novo, permaneceu à frente do governo estadual, mais uma vez como interventor. No início de 1945, com a crise do Estado Novo e o surgimento de novos partidos políticos, participou intensamente da criação do Partido Social Democrático (PSD), do qual foi presidente em seu estado. Cinco dias após a queda de Getúlio Vargas, foi substituído na interventoria, depois de 15 anos consecutivos à frente do Executivo estadual.

Em dezembro de 1945 foi eleito senador na legenda do PSD para um mandato de oito anos e, dessa forma, tomou parte nos trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte de 1946. Membro do diretório nacional desta agremiação política, em 1950 interrompeu seu mandato no Senado para candidatar-se novamente ao governo de Goiás. Foi eleito no pleito de 3 de outubro do mesmo ano, pela coligação entre o PSD e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Empossado em janeiro de 1951, governou por apenas três anos e meio, ao fim dos quais renunciou para desincompatibilizar-se novamente candidatar-se ao Senado.

Nas eleições de outubro de 1954 elegeu-se mais uma vez senador na legenda do PSD, com mandato de oito anos. Reeleito em outubro de 1962, sempre com o apoio do PSD, permaneceu no Senado até outubro de 1969.
Em novembro de 1964 mobilizou homens armados para a defesa do mandato de seu filho Mauro Borges no governo estadual de Goiás, que este ocupava desde 1º de fevereiro de 1961. Entretanto, não teve sucesso, pois uma intervenção federal afastou Mauro Borages do governo do cargo no dia 26 de novembro.

Em outubro de 1965 o Ato Institucional nº 2 (AI-2), promulgado pelo presidente Humberto Castelo Branco, extingüiu os partidos políticos até então existentes. Com o advento do bipartidarismo, Pedro Ludovico filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), representando-o na vice-presidência do Senado até 1º de outubro de 1969 quando a junta militar, que governou o país de 31 de agosto a 30 de outubro desse ano, cassou seu mandato parlamentar com base no Ato Institucional nº 5 (AI-5).

Foi redator do jornal goiano A Voz do Povo e membro honorário da Academia de Letras de São Paulo. Faleceu em Goiânia no dia 16 de agosto de 1979, quando preparava mais um volume de seu livro Memórias.

Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001
http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/JK/biografias/pedro_ludovico

 

 

Vida Maçônica

Consta no histórico da Loja Maçônica Liberdade e União 1158, de Goiânia GO, os seguintes registro:

A Comissão integrada pelos Irmãos João Augusto Melo Rosa, Arthur Magalhães e Levy Fróes, levou a boa nova ao Interventor, Pedro Ludovico Teixeira, que a recebeu entusiasticamente! Ele que também era Maçom, iniciado na Loja “Luz e Caridade”, ao Oriente de Uberlândia-MG.

Por interveniência do Governador Pedro Ludovico Teixeira, o Estado de Goiás doou terrenos à recém-criada Loja MaçônicaLiberdade e União 1158, onde foram edificados o Instituto Libertas e a FAMA – Fraternidade e Assistência a Menores Aprendizes.

Com o crescimento do número de Obreiros, havia necessidade da construção de um novo Templo capaz de acomodar o grupo de Irmãos que continuava aumentando. Na segunda gestão do Irmão Geraldo Rodrigues dos Santos como Venerável, foi feita a solicitação de doação do terreno nº 64-116, Qd. 110 da Av. Paranaíba, esq. c/ Av. Goiás, com área de 804,90m2. Com a decisiva intervenção do jovem Capitão e Irmão Benedito da Silva Albuquerque, Chefe da Casa Militar e amigo pessoal do Governador, Dr. Pedro Ludovico Teixeira, o Decreto de “doação” foi assinado, com a condição de que a construção se desse no prazo máximo de dois anos. No dia 23/10/41, foi realizada uma Sessão Magna de Lançamento da Pedra Fundamental do que viria ser o 2º Templo de “Liberdade e União” no endereço acima descrito.

 

Voltar ao início

 

Abel Tolentino
Webmaster