Loja Maçônica Luz no Horizonte 2038

 

LAURO NINA SODRÉ E SILVA

21/06/1904 a 23/05/1916 (Efetivo)

 

Lauro Nina Sodré e Silva, nascido em Belém (PA) a 17/10/1858, foi militar, político e líder republicano. Seus primeiros estudos foram no Liceu Paraense, seguindo, depois, a carreira de engenheiro militar, no curso da Escola da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, onde ingressou em janeiro de 1877 e onde teve como mestre o ilustre republicano e maçom Benjamin Constant, o que o levou (como a tantos outros jovens oficiais e cadetes) a abraçar a causa da República e a doutrina positivista de Comte.

Foi aluno brilhante (conseguiu distinção máxima em todos os anos) e oficial republicano destemido; quando da campanha republicana, apesar de vigiado pelos espiões da monarquia, sempre terminava os seus discursos, com invulgar desassombro, dizendo estas palavras: "quem fez este discurso foi o tenente Lauro Sodré".

Foi o primeiro governador do Estado do Pará, eleito pelo Congresso Constituinte Paraense, a 23 de junho de 1891; foi, também, representante do Pará na Constituinte da República e eleito quatro vezes senador, sendo três pelo Pará e uma pelo Distrito Federal. Foi o único governador que se colocou contra o golpe perpetrado por Deodoro a 3/11/1891, quando foi dissolvido o Congresso; os demais governadores preferiram apoiar a arbitrariedade do que perder os seus mandatos.

Iniciado em 1º de agosto de 1888, na Loja Harmonia, de Belém, fundada em 1856, pelo famoso padre Eutíquio Ferreira da Rocha, tornou-se Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil em 1904, sendo reeleito em 1907, 1910, 1913 e 1916, não completando o último mandato, por ter sido eleito governador do Pará.

Proclamada a República foi secretário de Benjamin, no Ministério da Guerra, ao tempo em que era nomeado lente catedrático da Escola Superior de Guerra. A 23 de junho de 1891, foi eleito governador do Pará, tendo sido, depois, o único governador que se colocou contra o golpe de Estado perpetrado por Deodoro a 3 de novembro de 1891; por isso, foi deposto por forte expedição militar, quando houve o contragolpe de 23 de novembro, com a queda de Deodoro e a derrubada de todos os governadores, menos de Sodré.

Na cisão do Partido Republicano Federal, liderado por Glicério, Sodré ficou ao lado deste e contra o presidente Prudente de Moraes, acabando por ser escolhido, a 5 de outubro de 1897, como candidato à presidência da República. Empunhando, todavia, o governo federal, as armas do estado de sítio, da pressão e da fraude, conseguiu eleger Campos Salles. Por isso, o Grande Oriente, liderado por Quintino e por Glicério, não tomou conhecimento da eleição de Campos Salles.

Ele ainda seria senador em quatro oportunidades: uma pelo Distrito Federal (1902) e três pelo Pará (1897, 1912 e 1922). Foi eleito e assumiu o cargo de Grão-Mestre em 21/06/1904, sendo, sucessivamente, reeleito em 1907, 1910, 1913 e 1916. Ao ser eleito governador do Pará, em 1916, pediu exoneração do cargo de Grão-Mestre do Grande Oriente. Com o golpe de 1930, abandonaria a vida pública.

Faleceu em 16 de junho de 1944, na cidade do Rio de Janeiro.

 

Fonte: Museu do Grande Oriente do Brasil
 

Voltar à página principal

Abel Tolentino de Oliveira Junior
Loja Maçônica Luz no Horizonte 2038
Goiânia  -  GO  -  Brasil