Loja Maçônica Luz no Horizonte 2038

 

INTERPRETAÇÕES SOBRE O ESTANDARTE
DA AUG.'. E RESP.'. LOJA SIMBÓLICA
“ACÁCIA DO CERRADO”

Loja Maçônica Acácia do Cerrado

 

Toda sociedade organizada, tem suas insígnias – totens, pendões, bandeiras, estandartes – que são sempre colocados em um topo (haste, tendas, teto, fachada ou palácio).

Mas o que é um estandarte?

 É uma insígnia de tecido ou outro material, cuja importância simbólica e esotérica, é muito elevada; suas cores diversas simbolicamente identificam a filosofia, o objetivo e a finalidade de uma Instituição, entidade ou organização.

Na Maçonaria, os estandartes têm sua origem em tempos remotos, que acreditamos, estejam ligados às corporações de Ofício de Pedreiros-Livres. No Livro da Lei, várias são as passagens que nomina a presença do estandarte como insígnias das tribos, por exemplo: Números – 2:2, Isaías – 11: 10,12, etc.

Sobre o estandarte da nossa Oficina, enumeramos 28 (vinte e oito) itens, os quais passamos a descrever:

01 – A Legenda: À G.·.S.∙.G.∙.A.∙.D.∙.U.∙. (Própria do Rito Brasileiro) Expressão máxima do Maçom para com Deus; é também uma forma de respeito a todas as religiões, visto que, a Maçonaria respeita a todas as indistintamente indiferentes do credo religioso.

02 – Título de Augusta e Respeitável: Título respeitoso e constitucional, e significa – sublime e majestosa.

03 –   Conceito de Loja Simbólica: Lugar os Maçons se reúnem para cultivar os três graus da Maçonaria Simbólica. O vocabulário surge, pela primeira vez, 1292, num documento de uma Guilda. Das guildas de mercadores originou-se o nome das casas comerciais, enquanto que das guildas artesanais, originou-se o nome das corporações maçônicas.

04 – O Título da Loja: “ACÁCIA DO CERRADO” – Essa foi uma idéia do Ir.’. Jair Dias Damasceno, em homenagem ao ecossistema existente (bioma) no planalto central do Brasil e em outras regiões e que se encontra em fase de extinção, idéia do nome levado na reunião de confraternização e lançamento do projeto de fundação da loja  na residência do Ir.’. Osmar Alves Moreira em 07/07/2007.

05 – Expressões: “Federada ao Grande Oriente do Brasil” e Jurisdicionada ao “Grande Oriente do Estado de Goiás” – Mandamento Constitucional do artigo 17 da Constituição do GOB de17/03/2007.

06 – No cento ao alto: o triangulo fulgurante, o delta luminoso, representa a suprema luz da loja, a glória do criador tendo no seu interior a letra IOD do hebraico primitivo. (Quando vogal, simboliza a Divindade -  o mais alto dos sons vogais – é imagem da manifestação potencial, duração espiritual, eternidade e do poder ordenador).

07 – O sol: à direita representando o V.: M.: como o irradiador de seus conhecimentos em forma de luz a toda oficina

08 – A lua: no seu quarto crescente à esquerda simbolizando o aprendiz em sua busca incessante do aprendizado

09 – O cruzeiro do sul: ao fundo lembrando o rito que adotamos o Rito Brasileiro

10 – A escada de Jacó: com os seus degraus: Ensinando-nos sobre as 3 virtudes teologais: A fé; A esperança e caridade, caminho que nos conduzirá aos pés do S.: A.: D.: U.:

11 – O livro sagrado: aberto sobre o altar dos juramentos, invocando a presença do S.: A.: D.: U.: em todos os nossos trabalhos.

12 – As três luzes místicas: que representam e evocam: A Onisciência (Sabedoria – V.: M.: - cor branca) no ângulo oriental; A Onipotência (Força – 1º Vig.:- cor vermelha)no ângulo do norte  e A  Onipresença divina(beleza – 2º Vig.:- cor azul) no ângulo sul.

13 – O altar dos juramentos em forma de triangulo: ensinando-nos sobre o nosso dever de imolar os nossos vícios, como nos ensina o livro da lei em (Mateus, 5:23 e 24)

14 - O  Esquadro unido ao Compasso: Primeiro, fazem parte do conjunto das três Luzes Emblemáticas da Maçonaria, juntamente com o Livro da Lei. Segundo só se mostra unidos em Loja, representando a medida justa que deve presidir todas as nossas ações, que não podem jamais se afastarem da Retidão e Justiça.

15 – O lápis e o cordel: instrumentos usados para traçar e planejar os trabalhos a serem desenvolvidos pelos maçons em uma loja.

O Esquadro: Simbolizando a Retidão – Lembrando-nos que o maçom age unicamente com um sentimento – Obediência aos Estatutos da Ordem, e que deve agir de uma única forma – com Retidão.

O Compasso: Simbolizando a Justiça e comedimento na busca do conhecimento.

16 – Os quatro degraus que dão acesso ao oriente lembra-nos a força, o trabalho, a ciência e a virtude, emblemas que devem nortear o coração do maçom em sua conduta no desbastamento de sua pedra bruta.

17 – O pavimento Quadriculado: Símbolo das diversidades convivendo harmoniosamente num mesmo ambiente. Com os seus quadrados brancos e pretos, lembra-nos a harmonia, que é preciso reinar na humanidade.

18 – Ao norte:

A pedra cúbica: demonstrando que após o desbastamento da pedra bruta o maçom estará apto a compor o edifício social.

A alavanca: representando o poder da vontade, o braço que a usa simboliza a potência, com toda a energia oriunda do poder da vontade que deve remover o peso dos vícios e da paixões, simboliza ainda a força interior capaz de fazer  com que o maçom cumpra todas as obrigações que livremente assumiu.

A régua de 24 polegadas: é o símbolo da retidão. Representa a boa administração do tempo que deve ser divido no auto- conhecimento, meditação, estudo e repouso.

O Compasso: Significa Justiça e comedimento na busca do conhecimento. Assim o maçom deve levar sua vida preparando-se para servir a pátria, não sendo um peso para a sociedade com disciplina dividindo o seu  tempo na justa medida do labor, da diversão e da meditação.

19 – Ao sul:

A pedra bruta: símbolo das imperfeições do espírito que o maçon deve procurar corrigir; e também, da liberdade total do Aprendiz e do maçom em geral.

O malho: emblema da vontade ativa, do trabalho e da força material da energia, da decisão, o aspecto ativo da consciência, instrumento de direção, poder e autoridade empregado no desbaste da pedra bruta, necessário para vencer e superar os obstáculos.

O cinzel: representando o intelecto e sugere o trabalho inteligente. Instrumento do grau de Aprendiz. Simbolicamente, serve para desbastar a pedra bruta da personalidade.

20 – A coluna “B”: representa o solstício do inverno, isso, para nós do Rito Brasileiro que no encontramos no hemisfério sul. As colunas são os símbolos dos limites do mundo criado, da vida e da morte, do elemento masculino e do elemento feminino, do ativo e do passivo, do mundo material e do espiritual. Simboliza ainda a força, a sustentação.

21 – A Coluna “J”: representa o solstício do verão, isso, para nós do Rito Brasileiro que nos encontramos no hemisfério sul. As colunas são os símbolos dos limites do mundo criado, da vida e da morte, do elemento masculino e do elemento feminino, do ativo e do passivo, do mundo material e do espiritual. Simboliza ainda a força, a sustentação.

22 – As duas Esferas: colocadas cada qual sobre uma das duas Colunas que se erguem à entrada da Loja, representam as esferas terrestre e celeste, cujo conhecimento é ali franqueado aos iniciados. Entre os Franco-maçons também alude à extensão universal de sua Sociedade e da caridade que lhes cabe praticar.

23 – No capitel de ambas as colunas: há uma ordem de três romãs semi-abertas que coroam as colunas do templo e cujos grãos significam prosperidade e solidariedade da família maçônica; representando ainda todos os maçons espalhados pela superfície da terra. As sementes das romãs, intimamente unidas, nos lembram à fraternidade, que deve haver entre os homens. Demonstram ainda os grãos reunidos em grupos, separados de outros grupos por uma película, mostra que embora divididos em obediência e paises, todos os maçons fazem parte do mesmo corpo, simbolizado pela romã inteira.

24 – A expressão latina: “FIAT LUX” cuja tradução é Faça-se a Luz, descrito em Gênesis 1 a 3  - No princípio do mundo, disse o Supr.: Arq.: do Univ.: FAÇA-SE A LUZ – E A LUZ FOI FEITA.

25 – As cores do Estandarte:

- Azul: ao fundo lembrando-nos : O Firmamento, O Universo.

- Branca: Paz.

- Bordô: Em primeiro plano a cor oficial do Rito Brasileiro, aqui também representado a terra-mãe (terra-cota).

26 – O formado de escudo: Arma defensiva de proteção ao corpo, usada pelos antigos. Hoje além de protegermos o corpo, mais importante ainda, é protegermos o que é Justo e Honesto, usando o Escudo da Sabedoria.

27 – As abas superiores e Inferiores: Significam – adorno, Beleza, para nos mostrar que ser Sábio com Força, sem ter Beleza é triste, porque é a Beleza que abre o mundo inteiro à nossa sensibilidade.

28 – Brasão: É um conjunto de figuras que compõem escudo de famílias nobres, cidades, corporações, Estados etc. (e, mais raramente, de indivíduos), no qual aparecem elementos, como cores, figuras  peças, atributos, ornatos etc., consagrados pela heráldica. Em nosso caso os símbolos existentes representam a nossa loja esotérica  e  os Instrumentos de trabalho que a Maçonaria coloca à nossa disposição para melhor desbastarmos a nossa Pedra Bruta, símbolo das nossas imperfeições.

 

Voltar à página principal

Abel Tolentino de Oliveira Junior
Loja Maçônica Luz no Horizonte 2038
Goiânia  -  GO  -  Brasil